quinta-feira, 2 de agosto de 2012

e ainda me atrevo a amar





E ainda me atrevo a amar
o som da luz numa hora morta,
a cor do tempo num muro abandonado.

Em meu olhar o perdi todo.
É tão distante pedir. Tão perto saber que não há.

Alejandra Pizarnik



Sem comentários: