terça-feira, 18 de agosto de 2009

o que os meus olhos vêem



o que os meus olhos vêem, o que os teus olhos vêem,
será talvez o litigo da solidão profunda,
o ar, em suma,
num silêncio irredutível, livre, lírico , tão longínquo,
num lugar antes do tempo.



maria gomes


5 comentários:

Maria Costa disse...

Feliz o poeta que assim escreve.

Trabalho muito belo.

Obrigada.

dade amorim disse...

Belo poema - mais um - de Maria Gomes.

Seu comentário sempre me deixa muito contente, Maria.

Beijos.

Ricardo Calmon disse...

Olá Poeta Maria,das coisa simples e belas da Vida!
Te Saúdo e um domingo bom desejo!

Viva Vida!

Feliz ficarei em poder segui-la!

Sonia Schmorantz disse...

Tens lindos poemas aqui!
Uma ótima semana para ti.
abraço

anareis disse...

Querido(a) novo(a) amigo(a),estou precisando muito da ajuda de todos os amigos. estou montando uma minibiblioteca comunitária pra crianças e adolescentes na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,se voce puder me ajudar estou fazendo uma campanha de doações. pode doar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3, ou pode doar livros ,ou pode doar máquina de costura, ou pode doar retalhos, ou pode doar computador usado. se quizer fazer aguma doação entre em contato com meu email: asilvareis10@gmail.com ,eu darei o endereço de remessa. se voce não puder me ajudar com doações pode divulgar minha campanha, tenho 2 blogs no google gostaria da sua visita: Eulucinha.blogspot.com ,obrigado pela sua atenção.