terça-feira, 9 de novembro de 2010

HOTEL TOFFOLO




E vieram dizer-nos que não havia jantar.
Como se não houvesse outras fomes
e outros alimentos.

Como se a cidade não servisse o seu pão
de nuvens.

Não, hoteleiro, nosso repasto é interior,
e só pretendemos a mesa.
Comeríamos a mesa, se no-lo ordenassem as Escrituras.
Tudo se come, tudo se comunica,
tudo, no coração, é ceia.


Carlos Drummond de Andrade
(Brasil, 1902 – 1987)
Claro Enigma
(Record, 2006)

1 comentário:

ROGEL SAMUEL disse...

tudo é muito belo neste seu blog...