quarta-feira, 22 de abril de 2009

nunca soube lançar o pião


Nunca soube lançar o pião
como os rapazes no terreiro,
entre os contentores:aprendizes
de ladrões, de proxenetas,

arrumadores. nunca soube
lançar o pião. Nem puxar-lhe
o cordel entre os dedos
ou içá-lo, rodopiante, na palma

a mão,acima do solo
conspurcado e mudo. Lancei
a minha vida, os meus
anseios. e foi tudo.



in " A Irresistível Voz de Ionatos" de Victor Oliveira Mateus


1 comentário:

Victor Oliveira Mateus disse...

Cara Maria Azenha,

o "pó da escrita" juntou-se, neste gesto, aos "Ortografia do Olhar",
"Logros consentidos", "Maquina Royal", "Ao longe barcos de flores", etc., naquilo que eu sinto
como apoio a mim e ao meu novo livro. Obrigado! Não vou ser capaz
de vos pagar nunca!!!
Um grande grande abraço