sábado, 12 de julho de 2008

reflexões


"Temos que descansar temporariamente de nós, olhando-nos de longe e de cima e, de uma distância artística, rindo sobre nós ou chorando sobre nós: temos de descobrir o herói, assim como o parvo, que reside em nossa paixão pelo conhecimento, temos de alegrar-nos vez por outra com nossa tolice, para podermos continuar alegres com nossa sabedoria."


Nietzsche

1 comentário:

inatingivel disse...

A sabedoria para uma distanciação do próprio eu não está ao alcance de todos. Devia-o estar. Mas é precisamente dos nossos próprios reflexos que mais fugimos.
A descoberta será sempre incompleta enquanto não aceitarmos todas as nossas partes. Principalmente as que mais desejamos soltar, mas que devido às convenções sociais continuamente reprimimos.
A vergonha que sentimos de nós próprios e a preocupação com o que os outros pensam, inibem o nosso desenvolvimento. Logo, o condicionamento individual retarda o progresso colectivo.
Felizmente, há luzes de sabedoria entre nós.